Sites Grátis no Comunidades.net
Crie seu próprio Site Grátis! Templates em HTML5 e Flash, Galerias em 2D e 3D, Widgets, Publicação do Site e muito mais!

NA CARONA DA MATEMÁTICA



Total de visitas: 309964
PLANO DE CURSO DE MATEMATICA

 

ELIZANGELA MODESTO DA SILVA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PLANO DE CURSO DE MATEMÁTICA – UNEB 2012

 

 

 

 

“A educação constitui-se um dos principais ativos e mecanismos de transformação de um povo e é papel da escola, de forma democrática e comprometida com a promoção do ser humano na sua integralidade, estimular a formação de valores, hábitos e comportamentos que respeitem as diferenças e as características próprias de grupos e minorias. Assim, a educação é essencial no processo de formação de qualquer sociedade e abre caminhos para a ampliação da cidadania de um povo.”

 

(BRASIL,2005, Diretrizes Curriculares Nacionais, p. 7)

 

 

 

 

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

 

 

 

                       

 

 

 

             O presente Plano de Curso de Matemática do ensino fundamental está sendo elaborado com o intuito de organizar e executar as atividades que serão desenvolvidas durante a regência de estagio supervisionado II, servindo assim de parâmetro para por em prática as atividades pertinentes à área de Matemática, visando à melhoria e a qualidade do ensino desta disciplina.

             "O plano de curso é a sistematização da proposta geral de trabalho do professor naquela determinada disciplina ou área de estudo, numa dada realidade. pode ser anual ou semestral, dependendo da modalidade em que a disciplina é oferecida." (VASCOCELLOS, 1995, p.117 in Padilha, 2003 p. 41).

             É importante orientar os alunos a obter um bom desempenho nos estudos mostrando-lhes sua importância devemos também colocar o estudo como parte de sua rotina. Para isso o professor deve estar capacitado e com intenções de formar o aluno para que ele se torne atuante na sociedade.

             O objetivo é planejar, garantir aprendizagem significativa, organizar o plano de aula de modo que o aluno perceba a importância do que esta sendo ensinado seja para o seu dia-a-dia ou para seu futuro. Implementar e avaliar a utilização de Objetos de Aprendizagem no ensino de Matemática a nível fundamental. Sendo assim no momento em que o professor conhece seus alunos, tem de saber o que vai ensinar, para que e como vai ensinar.  O professor deve prever e organizar as ações para atingir mudanças pois, saber aplicar os conteúdos e o conhecimento teórico ou científico não é suficiente, mas transformá-lo em saber, através da multiplicidade de formas. Para que isso aconteça, é necessário empenho, estamos falando de cursos, projetos, troca de experiência com outros profissionais, leituras, reflexões, todos esses ítens podem auxiliar o professor no seu desejo de atingir mudanças. Essa mudança também acontecerá com o professor.

Nas palavras de Freire (1991), trata-se de nos formarmos como educadores, permanentemente, na prática e na reflexão sobre a prática.

 

 

 

 

 

ESCOLA

 

 

 

                 A instituição de ensino Educandário Senhora Santana está situada na Av. Monte Santo, 109, em frente a  IGREJA EVANGÉLICA PENTECOSTAL O BRASIL PARA CRISTO E AO LADO DO POSTO DE GASOLINA GRUPO GOMES – Centro - Cansanção / BA. Sua estrutura física é considerável pois possui uma área de aproximadamente 5000 m2, 23 salas de aula bem arejadas, uma sala de TV e Vídeo, uma Biblioteca, 10 banheiros, 01 almoxarifado, 01 guarita, 01 sala para planejamento de aula, 01 quadra de esportes, 01 sala para secretaria , 01 sala para diretoria, 01 área livre espaçosa, 01 sala de professores, 01 cantina, 01 sala de leitura e tudo isto com prédio próprio. O seu funcionamento ocorre em 03 turnos, sendo que no período matutino são usadas 21 salas de aula, no vespertino 14 salas e noturno usando 04 salas. O corpo administrativo é representado pelo diretor Sr. Fernando Pereira de Jesus, auxiliados por 04 vice–diretores, 06 coordenadores, 01 secretário, 01 digitadores, 12 auxiliares de serviços gerais, 09 cozinheiros, 15 serventes e 65 professores, recursos tecnológicos e didáticos disponíveis, sendo TVs, DVDs, Vídeo Cassete, Retro-projetores, máquina fotográfica, filmadora, nootbook, computadores com impressoras com sala exclusiva com acesso a internet, livros didáticos, biblioteca com livros considerável, quadro branco, piloto, apagadores, etc...

            ´O planejamento é feito em reuniões com os professores, coordenadores e diretoria e as avaliações são elaboradas e aplicadas na forma: Diagnóstica, processual e contínua através de diversos instrumentos, Testes, provas atividades em grupo mimeografadas, produção de cartazes, exposição de painéis, exposição oral, produção e apresentação de gráficos, trabalhos em equipe...

 

 Os objetivos a seguir, são de suma importância para o processo de ensino/aprendizagem:

 

            Mostrar a importância dos conhecimentos matemáticos desenvolvidos pelos povos antigos.

            Levar o discente a adotar uma perspectiva positiva em relação à Matemática, isto é, mostrar a importância da Matemática em nossas vidas, levando-o a construir os seus próprios conceitos e procedimentos, formulando e resolvendo problemas por si mesmo e, com isso aumentar a sua auto-estima e persistência diante da busca de soluções de problemas;

 

            Incentivar o educando a pesquisar em jornais, revistas, livros, internet, etc., e comparar os dados;

            Desenvolver atividades que possibilite o discente a interagir cooperativamente, em dupla e/ou em equipe, proporcionando-lhe a oportunidade de ouvir e apresentar sugestões, auxiliando e aprendendo com eles.

            Incentivar o educando pensar logicamente, relacionando idéias, descobrindo regularidade e padrões, onde a curiosidade é estimulada, despertando assim a investigação como mola propulsora do processo de ensino-aprendizagem;

            Respeitar os conhecimentos prévios dos discentes, valorizando-os e acrescentando-lhes informações adicionais que possam contribuir para sua formação básica.

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

 

 

 

           “O planejar é uma realidade que acompanhou a trajetória histórica da humanidade. O homem sempre sonhou, pensou e imaginou algo na sua vida.” (Mengolla,San’tAnna, 2001, p.15).

Quando planejamos, começamos a formular os objetivos e o que desejamos.

O planejamento deve ser uma organização das idéias e informações ninguém sai de casa sem saber para onde vai ou o que vai fazer todos nós temos metas mensais, semanais e temos também metas diárias os alunos são dignos de também ser tratados da mesma forma com metas a serem alcançadas. A suma é: deve-se planejar.

Pensando assim, procuramos desenvolver o nosso planejamento  numa perspectiva que visa proporcionar ao educando a possibilidade de sua participação nas atividades escolares, onde ele seja capaz de investigar, questionar, analisar, verifica resultados e argumentar logicamente, dando-lhe a oportunidade da contextualização dos conteúdos de Matemática de acordo com as suas experiências cotidianas e ao mesmo tempo, a outras distantes de sua realidade. Além disso, procuramos valorizar o trabalho em grupo, enfatizando os valores éticos, como o respeito ao próximo e ao meio ambiente, etc.

 

            Gandin (2008, p.01) sugere que se pense no planejamento como uma ferramenta para dar eficiência à ação humana, ou seja, deve ser utilizado para a organização na tomada de decisões e para melhor entender isto se precisa compreender alguns conceitos, tais como: planejar, planejamento e planos que segundo Menegolla & Sant’Anna (2001, p.38) “são palavras sofisticadamente pedagógicas e que “rolam” de boca em boca, no dia-a-dia da vida escolar.”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

METODOLOGIA

 

 

            Os conteúdos aqui selecionados serão desenvolvidos através de aulas expositivas, investigativa e exploratória, sendo utilizados entre outros recursos, os livros didáticos, piloto, quadro branco, retroprojetor, tv, vídeo, cartazes, pesquisas em jornais  como as coordenadas cartesianas que eles buscarão, revistas que tratem de inteiros, atividades desenvolvidas dentro e fora da sala de aula, aplicarei as minhas aulas o máximo de atividades em que, sei eles desenvolverão. O desejo do professor de tornar a aula atrativa e divertida, hoje  temos, há  uma variedade enorme de jogos e hoje ao preparar este plano já estou em sala e já apliquei alguns, (aos quais conhecerão no relatório de estágio) mas separarei ainda nos últimos dias de estágio um conteúdo para que eles apresentem num seminário e  uma oficina que já preparei, enviarei o relatório deles como pedido da oficina e do seminário, trabalharei a vida e morte de Jesus Cristo através de parábolas e através de músicas, atividade proposta pela coordenação da escola.  Além disso, os discentes serão motivados a participarem de atividades culturais, fortalecendo os valores sociais, econômicos e políticos de nossa sociedade. Como por exemplo: replantio de árvores, participação dos festejos junino, aniversário da cidade, sete de setembro e outros eventos realizados na escola e/ou região.

        Sabemos que a avaliação é uma das etapas mais complexa do processo ensino-aprendizagem. Pois neste processo, o docente utiliza várias formas de avaliação, buscando aferir notas, comparar rendimentos dos alunos, analisar se os conteúdos aplicados foram bem assimilados ou não pelos discentes. Deve-se também, verificar se há a necessidade ou não de revisão de conteúdos, enfim, é uma tarefa muito importante, porque é ela que reflete a nossa prática educativa. Segundo Chamorro et al (2007, p.11) o processo avaliativo deve:

 

[...] ter sempre a preocupação com a aprendizagem dos alunos. Uma avaliação com essa finalidade tem sido referida por diverso autores como uma avaliação formativa que, nas palavras de Perrenoud (1999), é uma avaliação “que ajuda o aluno a aprender e o professor a ensinar”(p.173). Descreve a idéia-base desta avaliação, em que um indivíduo aprenderá melhor “se o seu meio envolvente for capaz de lhe dar respostas e regulações sob diversas formas: identificação dos erros, sugestões e contra-sugestões, explicações complementares, revisão das noções de base, trabalho sobre o sentido da tarefa ou autoconfiança” (PIRRENOUD, 1999,P.173)

 

Pensando assim, pretendo desenvolver a avaliação em quatro processos, os quais a instituição considera como básicos, são eles: avaliação diagnóstica, processual/continua, cumulativa e participativa/emancipatória.

                 Na avaliação diagnóstica, busca-se uma sondagem sobre os conhecimentos prévios dos discentes e os que eles já compreendem a respeito dos assuntos que serão abordados e, o que podemos trabalhar para melhorar e ampliar seus conhecimentos. Já na avaliação processual/continua, será realizada no dia-a-dia em sala de aula, onde estaremos observando passo a passo a construção do conhecimento dos nossos alunos e suas dificuldades, permitindo a correção de alguns erros e ao mesmo tempo, valorizando os próprios erros como parte do processo ensino-aprendizagem. E quanto a avaliação cumulativa, ela será promovida com o objetivo de somar as habilidades e competências adquiridas no cotidiano, acumulando-as ao longo do processo. Na avaliação participativa/emancipatória serão destacados acertos e erros da prática educativa, onde os alunos e o professor estarão juntos interferindo na construção e no desenvolvimento do conhecimento.

É importante ressaltar, que após discussão com os docentes desta instituição no início do ano letivo, ficou definido que a média considerável para aprovação do educando é 6,0 pontos por unidade, sendo que os processos avaliativos de caráter qualitativo têm valor de 40% enquanto que, o de caráter quantitativo assume valor 60%, isto é, durante o ano letivo, o docente atribuirá em cada unidade o valor máximo de 4,0 pontos para nota qualitativa e 6,0 pontos para nota quantitativa. Lembrando que os aspectos qualitativos serão aferidos mediante análises das habilidades e competências de cada discente, esperando-se que o mesmo apresente:

 

·           Freqüência escolar considerável (igual ou superior a 75%) durante o período letivo;

·           Participação das aulas e atividades escolar ou extra-escoltar;

·           Respeito com os professores, diretor e demais funcionários da escola;

·           Respeito aos colegas de classe e de outras turmas;

·           Uso freqüente do fardamento escolar;

·           Conservação e uso constante dos livros didáticos;

·           E outras habilidades e competências combinadas entre os alunos e professores.

 

Já as avaliações de valor quantitativo podem ser desenvolvidas através de:

·           Avaliações escritas – “testes” ou “provas”;

·           Seminários

·           Apresentação de peças teatrais;

·           Trabalhos de pesquisas bibliográficas ou virtuais;

·           Avaliações orais – debates sobre temas transversais e/ou outros temas pertinentes aos conteúdos propostos;

·           Entre outras atividades selecionadas convenientemente pelo(s) docente(s) em reuniões e/ou discentes em combinados

 

 

 

 

 

 

JUSTIFICATIVA

 

 

O estágio é um processo importantíssimo e indispensável para o professor pois ele dá a oportunidade de assimilar a teoria e a prática, com o estágio o profissional vai conhecer a escola, o alunos, os funcionários, o dia a dia de uma escola e terá a oportunidade de colocar em prática o que aprendeu, vai também estar preparado para a profissão pois quando aprendemos queremos mostrar e o estágio é justamente onde está a oportunidade. Eu por exemplo não quero mais ensinar o fundamental quero o ensino médio mas sei que é porque aprendi, eu estudei fiz as atividades propostas, aprendi os assuntos quero praticá-los, sabemos que o aprendizado é mais eficaz quando há a experiência, os alunos da universidade que já são professores hoje, já estagiaram no magistério e por já terem experiência, vejo que são diferentes dos alunos universitários que não fizeram magistério e que nunca tiveram esse contato com a sala, com os alunos, o estágio pra eles é imprescindível, e como a própria instituição aje, sem dispensa de horas como é feito com quem já estagiou, já é professor, é diferente.

 

 

 

 

 

                                                                 

 

                                                                                                                  “É um instrumento direcional de todo o processo educacional,

                                                                                                                   pois estabelece e determina as grandes urgências, indica as

                                                                                                                   prioridades básicas, ordena e determina todos os recursos

                                                                                                                   e meios necessários para a consecução de grandes finalidades,

                                                                                                                   metas e objetivos da educação.” (MENEGOLLA &

                                                                                                                   SANT’ANNA, 2001, p.40)

 

 

 

            De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9394/96), em seu Art. 22: “A educação básica tem por finalidade desenvolver ao educando, assegura-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores”. Nas propostas apresentadas nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o ensino da Matemática, é enfatizado que a disciplina deve contribuir para que o educando seja capaz de compreender o mundo que o cerca, atuando nele de forma ativa e cooperativamente. Nesta perspectiva, Dante (2007) destaca que a Matemática é uma das ferramentas mais importantes da sociedade contemporânea, pois de acordo com o autor, apropriar-se dos conhecimentos matemáticos, tais como, saber: operar com números e compará-los, resolver problemas, elaborar estratégias, aferir resultados, questionar e argumentar logicamente, conhecer forma geométrica, etc., significa adquirir subsídios, que certamente, contribuirão para formação como indivíduo, fazendo com que ele seja capaz de se engajar no mundo do trabalho, nas relações sociais, culturais e políticas.

           Não existe um modelo único de planejamento e o professor tem condições de fazê-lo e utilizá-lo adequadamente se conseguir entender que é de grande importância e não apenas burocracia.

Eu entendi que existem vários modelos de planejamento e posso escolher o que norteia melhor o meu caminho é o plano de aula que me dá a dimensão e o sucesso da minha aula.

            Pensando assim, procurei desenvolver o meu plano de curso numa perspectiva que visa proporcionar ao educando a possibilidade de sua participação nas atividades escolares, onde ele seja capaz de investigar, questionar, analisar, verifica resultados e argumentar logicamente, dando-lhe a oportunidade da contextualização dos conteúdos de Matemática de acordo com as suas experiências cotidianas e ao mesmo tempo, a outras distantes de sua realidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

 

 

 

BAHIA. Secretaria da Cultura e Turismo. [online]. Disponível na Internet via http://www.censocultural.ba.gov.br. Arquivo capturado em 05 de agosto 2007.

BAHIA. Secretaria de Infra-estrutura. Departamento de Infra-Estrutura de Transportes da Bahia. [online]. Disponível na Internet via http://www.derba.ba.gov.br/db_map_senhordobonfim.htm. Arquivo capturado em 14 de agosto 2007.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. N.º 9394. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Infantil e Fundamental. Guia de livros didáticos 2005: matemática. Brasília: Ministério da Educação/MEC, 2004, v.3.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Guia de livros didáticos de 5.ª a 8.ª séries. Brasília: Ministério da Educação/MEC, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Parâmetros Curriculares do Ensino Médio: ensino médio - Brasília: Ministério da Educação/MEC, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. 3. ed. Brasília: MEC/SEF, 2001.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

DANTE, Luiz Roberto. Tudo é matemática: ensino fundamental. – São Paulo: Ática, 2005. (Obra em 4 v. para alunos de 5ª a 8ª séries)

 

http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/a-importancia-plano-aula.htm

 

http://educador.brasilescola.com/sugestoes-pais-professores/a-importancia-planejar-estudo.htm

 

http://cenfopmatematicasignificativa.wordpress.com/

 

http://www.slideshare.net/lizmendes191182/as-formas-de-planejar-do-professor

 

http://www.faculdadeexpoente.edu.br/upload/noticiasarquivos/1243985734.PDF

 

 

 

 

 

ORGANIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE REGENCIA DE SLA DE AULA

 

            Os conteúdos aqui selecionados são apenas um referencial comum entre as várias turmas de uma mesma série existentes em nossa instituição. Por isso, é importante ressaltar que estou considerando as propostas apresentadas pelo MEC e pelo regente da turma onde irei estagiar, ao mesmo tempo procurando adequá-las de acordo a com a realidade da escola. Isto significa que buscarei, enquanto professora e coordenação, desenvolver um plano de curso considerando as peculiaridades de cada turma. Sendo assim, segue o plano de curso por unidade, previsto para 6ª série deste ano letivo, o qual enfatiza: conteúdos, objetivos específicos e recursos a serem utilizados na sala de aula.

 

SÉRIE: 6ª                                              UNIDADE: I

CONTEÚDOS

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

RECURSOS DIDÁTICOS

 

Revisão do conjunto dos números   naturais

 

O conjunto dos números inteiros

Módulo de um número inteiro

Comparação de números inteiros

Adição e subtração de números inteiros

Multiplicação e divisão de números   inteiros

 

Divisão de números inteiros

 

Mostrar  a importância da Matemática em nossas   vidas;

 

Explicar o porquê dos conjuntos   numéricos;

Ampliar os conceitos de números   naturais;

Mostra a necessidade de outro conjunto   para expressar situações de nosso cotidiano;

Apresentar situações que requer   números positivos e/ou negativos.

Identificar o conjunto dos números   inteiros (Z) e sua forma de representação

Mostrar as operações no conjunto Z.

 

 

Livro didático, quadro branco, piloto,   cartolina, papel metro, folha de ofício, revistas, jornais, internet, vídeo,   projetor de slide, entre outros.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SEMANA

CONTEÚDO

OBJETIVOS

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

 

20/03/2012 a 22/03/2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apresentação da turma, dinâmica de apresentação;

Apresentação das atividades avaliativas e conteúdo programático do estágio nesta I Unidade;

Brincadeiras;

Presentes;

Texto matemático, aprendendo matemática;

Piadas em códigos;

conjunto dos números inteiros;

história dos números inteiros.

Exercícios em classe

 

 

ü  Promover um momento de socialização e interação entre alunos-alunos e alunos-professor;

ü  Exercitar o entendimento de textos, especialmente de caráter matemático;

ü  Conhecer os conteúdos programáticos para a I Unidade e o calendário de atividades avaliativas.

ü  Despertar o pensar rápido, o raciocínio lógico como diagnose estimulando-os a interagir;

ü  Descobrir a utilização dos inteiros no seu cotidiano, bem como a sua história;

ü  Verificar se alcançaram os objetivos através de exercícios;

 

As atividades serão desenvolvidas de forma individual e coletiva e a interação será com professor-aluno.

Haverá um momento de apresentação onde lhes darei um presente confeccionado por mim, no segundo momento haverá uma dinâmica com o uso de bexigas ao som de uma música, num terceiro momento, decifrarão piadas em códigos.

diálogo, mostrando-lhes a receita, a dívida, a reta, apresentação de situações pessoais onde são usados os inteiros (compra e venda de algo), resolução de atividades em classe e para casa;

Apresentação de uma situação problema para a discussão.

 

 

 

 

 

SEMANA

CONTEÚDO

OBJETIVOS

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

 

26/04/2012 a 29/04/2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Correção de exercícios de conjunto de inteiros aplicados na aula anterior;

Aplicação de atividades em classe (pesquisa com inteiros);

Celebrai a Cristo Celebrai;Música

Coordenadas cartesianas;

ü  Verificar se alcançaram o objetivo através de atividades em casa e em classe, envolvendo pesquisas em revistas de situações que envolvam inteiros;

ü  Perceber distâncias entre pontos e sua origem;

ü  Conhecer a música que será apresentada na culminância;

ü  Identificar dificuldades em coordenadas cartesianas;

ü  Entender que módulo de zero é sempre positivo.

Praticar atividades em classe;

Pesquisar em jornais e revistas, plantas ou gráficos em que apareça inteiros e realização de exercícios no quadro, tirando dúvidas e ajudando-os nas respostas e mostrando-lhes as várias maneiras de chegar aos resultados avaliando-os.

Aula expositiva e explicativa de módulo e do valor absoluto no quadro, tirando dúvidas e ajudando-os a responder as atividades corretamente;

Ouvir a música e acompanhar a letra para apresentação na culminância.

Aula expositiva de módulo ou valor absoluto, explicação no quadro tirando dúvidas e ajudando-os a responder as atividades corretamente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SEMANA

CONTEÚDO

OBJETIVOS

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

02/04/2012 a 05/04/2012

Correção de exercícios;

Ensaio do louvor Celebrai a Cristo Celebrai;

Culminância vida e obra de Jesus Cristo;

coral musical;

Adição e subtração de inteiros;

Resolução de exercícios;

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ü  Sanar dificuldades encontradas em módulo ou valor absoluto de inteiros através de exercícios;

ü  Representar através de louvor e adoração a morte e a ressurreição de Jesus Cristo;

despertar o interesse mútuo através da dicção oral e auditiva assim como a expressão;

ü  Efetuar a adição e a subtração de dois ou mais inteiros;

Resolver exercícios envolvendo soma e subtração de inteiros em problemas;

Tirar dúvidas que haja através da explicação na correção das atividades, mostrando-lhes as várias maneiras de chegarmos a um resultado e levá-los para o ensaio geral do louvor Celebrai a Cristo celebrai para apresentação do coral;

coral musical "vida e obra de Jsus;

Propostas de situação problema envolvendo adição e subtração de números inteiros;

Discussão sobre os problemas com apresentação de hipóteses de resolução;

Resolução e aplicação de exercícios;

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SEMANA

CONTEÚDO

OBJETIVOS

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

 

09/04/2012 à 12/03/2012

 

 

 

 

 

 

 

multiplicação e divisão de números inteiros.

Problemas envolvendo multiplicação e divisão de inteiros;

Problemas envolvendo todo o conjunto de inteiros;

Exercícios variados de reforço aplicados em sala, envolvendo soma e subtração de inteiros;

Oficina proposta;

Avaliação

 

ü  Compreender através de exercícios variados aplicados em sala, o encontro de soma e subtração de inteiros em problemas;

ü  Entender as regras práticas da multiplicação e divisão de inteiros;

ü  Resolver problemas que envolvem multiplicação e divisão de números inteiros, com a busca de seus resultados lógicos e correção;

ü  Resolver problemas que envolvam adição, subtração, multiplicação e divisão de inteiros;

ü  Demonstrar conhecimentos adquiridos na competição;

ü  Demonstrar o aprendizado através de uma avaliação escrita;

 

Resolver os exercícios e reforçar as regras aplicadas nestes exercícios;

Apresentação de situações problema que envolve a multiplicação e divisão de números inteiros com suas respectivas resoluções.

Explicação da regra prática para multiplicação e divisão com suas respectivas resoluções.

Apresentação de exercícios que envolvem as quatro operações em Z;

Correção dos exercícios pra a aplicação da avaliação;

Apresentação do jogo caça ao queijo e tabela de multiplicação de inteiros,

Explicação dos objetivos da oficina e instrução das regras do jogo com formação de duplas, esclarecimento de dúvidas e desenvolvimento de atividades de premiação de equipes;

esclarecimento de dúvidas,

Arrumação das cadeiras em fila, aplicação de uma avaliação escrita, individual e sem consulta, resolução das provas, recolhimento;

 

 

 

 

 

SEMANA

CONTEÚDO

OBJETIVOS

ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

 

16/04/2012

 

 

 

Números inteiros, operações fundamentais em Z;

 

Discutir as avaliações;

 

Entrega das avaliações;

correção em quadro com aula expositiva.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Criar um Site Grátis   |   Crear una Página Web Gratis   |   Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net